Quinta, 01 de Outubro de 2020 02:33
83 9 9690-1026
Política Justiça descarta

Justiça descarta participação de Ricardo Coutinho no caso Bruno Ernesto e manda arquivar inquérito

O Ministério Público, após a investigação realizada, não encontrou nenhuma evidência que fundamentasse a acusação.

11/09/2020 13h32
129
Por: Danilo Almeida Fonte: Click PB
Justiça descarta participação de Ricardo Coutinho no caso Bruno Ernesto e manda arquivar inquérito

A juíza Francilucy Rejane de Sousa Mota, do 2º Tribunal do Júri da Comarca de João Pessoa, determinou o arquivamento do inquérito que investigou o suposto envolvimento do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) na morte do servidor municipal de João Pessoa, Bruno Ernesto. A informação foi publicada no site Poder PB.

O inquérito foi aberto pelo Ministério Público da Paraíba após denúncia dos pais de Bruno Ernesto, motivada por publicações da ex-mulher de Ricardo, a jornalista Pâmela Bório. Nas redes sociais, ela afirmou que o ex-marido, que era prefeito de João Pessoa na época do crime, teria envolvimento na morte do jovem.

O Ministério Público, após a investigação realizada, não encontrou nenhuma evidência que fundamentasse a acusação e, emitiu parecer pelo arquivamento do inquérito.

O parecer foi do promotor Marcus Antonius da Silva Leite que afirmou verificar-se a “ausência de indícios de participação do ex-governador Ricardo Vieira Coutinho no evento delituoso”. O representante do Ministério Público diz ainda que “as provas reproduzidas não foram suficientes para a propositura da ação penal em desfavor do investigado”.

Desta forma, a juíza Francilucy Mota acatou o parecer do MP, reforçando não vislumbrar “igualmente, qualquer elemento suficiente a embasar uma denúncia”.

Entenda o caso

Bruno Ernesto era diretor de Tecnologia da Prefeitura Municipal de João Pessoa quando foi morto, em um suposto latrocínio, em fevereiro de 2012. Na época, Ricardo Coutinho era o prefeito da Capital paraibana.

O servidor chegava em casa em seu carro, quando foi abordado por alguns indivíduos que o forçaram a entrar no porta-malas do carro. Ele ainda conseguiu entrar em contato com a esposa pelo celular, enquanto era transportado, e ela acionou a polícia. Bruno Ernesto, porém, já foi encontrado morto.

Os suspeitos foram presos e disseram que a ação tinha apenas o objetivo de roubar o carro para vender, mas um deles decidiu matar Bruno no processo.

Pouco depois surgiram diversas denúncias de superfaturamento e pagamento de propina no programa ''Jampa Digital'', da Prefeitura de João Pessoa. O caso chegou a ser divulgado no Fantástico. Foi aí que a ex-primeira-dama, Pâmela Bório, começou a insinuar nas redes sociais que as denúncias do Jampa Digital teriam motivado o homicídio de Bruno e que Ricardo Coutinho estaria envolvido.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias