Bancários do Banco do Brasil paralisam atendimento nas agências nesta quarta-feira na Paraíba - Site PB Real

Noticias

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

Bancários do Banco do Brasil paralisam atendimento nas agências nesta quarta-feira na Paraíba

 
Os funcionários do Banco do Brasil paralisam o atendimento nas agências, nesta quarta-feira (10), na Paraíba. A paralisação no atendimento acontece até às 12h e foi aprovada durante uma assembleia realizada nesta terça-feira (09). 

A paralisação é contra a reestruturação no banco que irá fechar três agências na Paraíba, Parque Solon de Lucena e a agência Jardim Cidade Universitária, ambas em João Pessoa. Além do encerramento da agência da Avenida Assis Chateaubriand, em Campina Grande, um Posto de Atendimento Avançado (PAA), em Alagoa Grande, também será fechado. 

Essa é a segunda paralisação nas 67 agências e 36 postos de atendimentos (PAAs) espalhados pelo estado. 

De acordo com a categoria, os trabalhadores permanecem mobilizados por suas entidades representativas para pressionar a empresa contra o fechamento de cerca de 360 agências em todo o país, redução de cerca de 5 mil bancários, que deixará o atendimento ainda mais precário, a extinção da gratificação de caixa e descomissionamentos, medidas que foram anunciadas pela direção do Banco em janeiro.

Prejuízo também para população

Ainda segundo a categoria, na Paraíba, 176 municípios não têm nenhuma agência bancária. Nos últimos seis anos, no Estado, foram fechadas em torno de 15 agências do Banco do Brasil. 

De acordo com o presidente do Sindicato dos Bancários da Paraíba, Lindonjhonson Almeida, o estado de greve é um alerta para que a direção do banco e o governo se atentem para as reivindicações dos trabalhadores e abram negociação para que se evite a deflagração da greve. 

“Precisamos manter a pressão contra o desmonte do Banco do Brasil para garantir os empregos, o direito à gratificação de caixa, impedir as transferências compulsórias e também para barrar a retirada da função social do BB, privando muitas cidades dos serviços bancários e o financiamento à agricultura familiar, para satisfazer o desejo desse governo privatista que anseia pelo desmonte da empresa que tem 212 anos de serviços prestados à sociedade e aos banqueiros, dando lucro ao país como nunca”, explicou.

Por Isabela Melo